• Vivian Vi

Por que precisamos empoderar as mulheres em 2021?


Quase exatamente 25 anos atrás, em minha função de vice- -presidente da Comissão das Nações Unidas sobre o Status da Mulher, conduzi a última reunião preparatória em Nova York para a Quarta Conferência Mundial sobre a Mulher em Pequim, em setembro de 1995. Nossa tarefa era chegar a acordo por consenso sobre o maior número possível de formulações para o programa de ação a ser adotado em Pequim. As negociações foram difíceis. Havia profundas lacunas entre as posições dos países que queriam fazer progressos significativos em direção à igualdade de gênero, com base na universalidade dos direitos humanos, e aqueles que se apegavam aos valores tradicionais que fomentam o patriarcado. Era necessário encontrar pontes para conectar as diferentes preocupações e desenvolver a Plataforma de Ação de Pequim em um contexto equilibrado. Finalmente chegamos a um consenso em Pequim.


Paridade econômica de gênero, de acordo com Davos, apenas em 257 anos


25 anos depois, no entanto, ainda estamos longe de garantir a igualdade entre mulheres e homens em todos os aspectos da vida pública e privada, conforme preconizado pelo documento final de Pequim e consagrado no Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 5 das Nações Unidas sobre Igualdade de Gênero e Empoderamento Todas as Mulheres e Meninas. Aqui estão alguns exemplos de um relatório publicado recentemente pela ONU Mulheres:

• As mulheres ocupam apenas uma em cada quatro cadeiras nos parlamentos nacionais, ou uma em cada quatro secretarias em nível de gestão nas empresas.


• As mulheres realizam em média 4,1 horas de trabalho não remunerado por dia em casa e na família, enquanto os homens contribuem com apenas 1,7 horas.

• 31 por cento das mulheres jovens (15 a 24 anos) não frequentaram a escola, não receberam qualquer educação nem estavam empregadas em 2019 (a porcentagem é duas vezes superior à dos rapazes).

• 190 milhões de mulheres (15 a 49 anos), que queriam evitar a gravidez em 2019, não tinham acesso a métodos de planejamento familiar.


• Com 211 mortes por 100.000 nascidos vivos, a taxa global de mortalidade materna

• As mulheres realizam em média 4,1 horas de trabalho não remunerado por dia em casa e na família, enquanto os homens contribuem com apenas 1,7 horas.

• 31 por cento das mulheres jovens (15 a 24 anos) não frequentaram a escola, não receberam qualquer educação nem estavam empregadas em 2019 (a porcentagem é duas vezes superior à dos rapazes).

• 190 milhões de mulheres (15 a 49 anos), que queriam evitar a gravidez em 2019, não tinham acesso a métodos de planejamento familiar.

• Com 211 mortes por 100.000 nascidos vivos, a taxa global de mortalidade materna rum Econômico Mundial em Davos calcula que levará centenas de anos antes que a paridade de gênero seja alcançada em todo o mundo. A situação é particularmente ruim no que diz respeito ao acesso das mulheres à participação econômica: de acordo com Davos, a paridade econômica de gênero ainda está prevista para daqui a 257 anos. E isso apesar do fato de que agora é geralmente reconhecido que a participação das mulheres na economia é boa para os negócios, economias e sociedades como um todo, como o Relatório Gender Gap mais uma vez enfatiza explicitamente: “A paridade de gênero tem um impacto fundamental sobre se economias e sociedades se desenvolvem positivamente ou não. É importante para o crescimento, a competitividade e a sustentabilidade das economias e negócios em todo o mundo


que os talentos da metade da humanidade sejam desenvolvidos e usados”. Lembremo-nos de que a discriminação das mulheres na esfera econômica abre a porta para outras formas de discriminação mais severa, incluindo abuso sexual, estupro e feminicídio. Aproximadamente um terço de todas as mulheres adultas foram expostas a alguma forma de abuso ou violência sexual de acordo com a OMS - e essa porcentagem é uniformemente válida para quase todos os países do mundo. Todos nós - mulheres e homens - precisamos nos unir e agir juntos para erradicar a violência contra mulheres e meninas.


Building Back Better após a Covid 19

A pandemia Covid19 traz o sentimento de urgência. De muitas maneiras, as mulheres estão na linha de frente na batalha contra o vírus - como medicas, enfermeiras e cuidadoras. As mulheres são afetadas de forma diferente pela pandemia do que os homens. As estatísticas mostram que uma porcentagem maior de mulheres foi dispensada de empregos formais do que homens. Situações de teletrabalho e a necessidade de educar os filhos em casa devido ao encerramento prolongado das escolas gera mais estresse nas mulheres. Isso é especialmente grave em áreas desfavorecidas e em situações de habitação precárias. Muitos países estão implementando planos de recuperação pós-Covid19. Esses planos oferecem a possibilidade de uma reconstrução melhor. E eu gostaria de enfatizar duas áreas em que essa reconstrução é necessária e pode ser um suporte mútuo: mudança climática e igualdade entre mulheres e homens. Internacionalmente, muitos planos de recuperação econômica contêm disposições para lidar com as mudanças climáticas e promover transições para sistemas de energia de baixo

carbono. Isso é muito bem- -vindo, dado que as mudanças climáticas continuarão a impactar negativamente o meio ambiente global e a subsistência de mulheres e homens em todos os lugares, muito depois de o vírus ter sido combatido. A transição para o sistema de energia de baixo carbono, entretanto, é mais do que mudar de um combustível fóssil poluente para um renovável limpo. Isso acarreta mudanças profundas na sociedade. Para navegar por essas mudanças com sucesso, todas as sociedades precisarão mobilizar todos os talentos disponíveis, o talento das mulheres e dos homens. Portanto, deve-se ter cuidado especial para incluir disposições nas estratégias de recuperação pós-Covid19 que promovam a participação plena e igualitária das mulheres nas áreas da vida pública e privada. Em minha visão, as transições de energia também podem abrir caminho para sociedades mais inclusivas, diversificadas e preparadas para o futuro.



0 visualização0 comentário